domingo, 24 de julho de 2011

Negro amor

Dylan, na foto original

Zé, na capa do disco-homenagem
Faz quarenta e seis anos. Era 1965 quando Bob Dylan gravou "It's All over now, Baby Blue". Uma canção de desilusão. Ou de despedida. Ou, mesmo, de amor. Há várias versões atribuindo a quem a música se endereçava. Uma delas diz que era para a Joan Baez, companheira, musa , melhor amiga... Tudo, desde o início da carreira de Bob.

Ontem, ainda sob o impacto da morte da Amy, me dei um presente. Comprei o DVD em que o Zé Ramalho canta Bob Dylan, em versões de livre poesia. De cara, me emocionei com a interpretação de Negro Amor (versão que leva a assinatura de Caetano e  Péricles Cavalcanti, para o original de "It's All over now, Baby Blue", de Bob Dylan).

Resolvi vasculhar a blogosfera até achar o que queria. E achei. Aí embaixo, está o original da canção de 1965, na voz do próprio Dylan.



Agora, a versão de Caetano e Péricles, na voz de Gal Costa, num quadro do programa Fantástico, da TV Globo, em 1977. Doze anos depois da canção ter sido lançada, Gal fazia uma daquelas interpretações que - pelo menos para mim - soam como definitivas.



Quarenta e seis anos depois, Zé Ramalho reinventa a música "Negro Amor". Com a autoridade de quem mais se aproxima, aqui no Brasil, da história e do estilo de artista que transformou Bob Dylan em um ícone da música folk e do Rock, em todo o mundo.

Não é novidade que Bob é um dos ídolos do Zé. Também  se sabe de longa data que as canções de Dylan tiveram força  e influência definitivas na formação musical de Zé Ramalho. Fazia tempos, Zé Ramalho avisava que queria fazer uma homenagem ao seu ídolo maior. Por aqui, as canções de Zé Ramalho, seja pela temática, seja pela extensão das letras, sempre nos remeteram a uma influência inquestionável do trabalho de Dylan.

Pra alegria de todos e contrariando o coro dos descontentes, o que poderia ser uma cilada musical resultou em um belíssimo disco. Está tudo lá no novo disco de Zé Ramalho "Tudo está mudando". Uma homenagem digna. Até na foto escolhida pelo Zé para ser a capa do disco (fotos lá de cima). Fã e ídolo se misturam na mesma batida. Quer ver só? clica aí e assista "Negro Amor". Quarenta e seis anos depois, Bob Dylan, incorporado no Zé Ramalho.

6 comentários:

  1. Se esqueceu da gravação dos "Engenheiros do Hawaii", que também é uma bela versão.
    Abraço.
    Dudu

    ResponderExcluir
  2. a versão rock dos engenheiros ficou muito melhor

    ResponderExcluir
  3. faltou a versão dos engenheiros do hawaii

    ResponderExcluir
  4. A versão dos engenheiros do havaí tb é uma das definitivas ;)http://letras.mus.br/engenheiros-do-hawaii/78506/

    ResponderExcluir
  5. Realmente ...a versão dos engenheiros é definitiva..ouça..

    ResponderExcluir
  6. Faltou a melhor de todas as versoes Ze Geraldo

    ResponderExcluir