domingo, 27 de janeiro de 2019

Correspondências 2019 – Carta para Karen Cristina

Foto: Kurt Arrigo
São seis da manhã e ainda é escuro lá fora. Resultado do horário de verão, ao qual meu relógio biológico costuma desobedecer numa rebeldia civil permanente. Acordo e não quero ver o noticiário. Porque ele está cheio de lama. Brumadinho não é Mariana. E não será leve.

A lama, aliás, assume por esses tempos o sentido mais explicito da imagem deste país. Para onde quer que se olhe, há lama. E, não raro, ela insiste em vazar de seus frágeis reservatórios, morro abaixo, espalhando um rastro imensurável de destruição e dor.
Ando farto de dor. Busco um limite que me permita avançar sem perder o rumo. Sem perder a graça.

Recorro a um presente que recentemente ganhei de meu pai. “Úrsula”. Um exemplar da série “Prazer de ler”, editado pela Câmara dos Deputados. Sim, para decepção dos rasos e ignorantes, a Câmara dos Deputados, tal qual um conjunto importante de outras instituições públicas, não produz só corrupção e escândalos. Produz conhecimento de alta qualidade, também. Poucos dão valor a isso, é verdade. Mas é real e inegável.


A publicação original deste livro aconteceu em 1859. É, fico sabendo, o único romance abolicionista de autoria feminina em todo o mundo lusófono naquele período. Escrito por uma negra que não teve acesso à educação formal. Uma autodidata, portanto. Maria Firmina dos Reis nasceu de uma relação ilegítima em 1822, não conheceu o pai, mas nem por isso deixou-se levar pela tragédia. Maranhense, fez o caminho inverso ao que se costuma ver. Deixou São Luis em direção ao interior. Foi viver em Guimarães, foi ser professora, foi ser alguém muito à frente do seu tempo. E assim sendo, foi-se. E assim sendo, ficou para sempre.

Resgatada agora, sua escrita destoa pela cor de sua pela original e pela consistência em resistir ao preconceito, pela insistência em romper limites. Isto, priscas era, no Século XIX.

Interrompo a leitura para atender outro chamado do meu relógio biológico: Hora do café. Ah, delícia de meus dias. Café. Não só o prazer de tomar. Me seduz o preparo. A água fervente na chaleira, o pó à espera no coador, o chiado da água, o barulho fino da transformação, o café invadindo a garrafa térmica, aquele cheiro de manhãs completas tomando a cozinha, o quarto, a sala, a casa toda. Café!


Penso nas coisas que me dão alegria. A contradição de ser alegre fazendo notícia. Duvida? Mesmo nestes tempos sombrios é possível. Mesmo com toda trama, com todo drama. Mesmo tendo de estar atento para as sabotagens do inimigo íntimo, do que vive ao lado, do que nos espreita mais do que cuida de sua vida. Mesmo assim.

O jornal de sexta, por exemplo. A dor de contar a tragédia da lama em Brumadinho exigiu de todos nós atenção e zelo. Exigiu capacidade de decidir em curto prazo. E exigiu decisões precisas, sem chance de erro. Num instante aquela redação passou de um conjunto de indivíduos dispersos e tristes a uma orquestra sinfônica em perfeita harmonia. (Tá bem, nem tanto assim – uma orquestra menor, de Câmara, vá lá, mas sem espaço pra erro e sem medo de tocar.)  

O resultado, no ar, não traduz nem de longe as dificuldades técnicas e operacionais que vivemos. Ao contrário disso, dá ao telespectador a sensação de que uma estrutura gigantesca produziu aquilo. Assim, somos gigantes sem ser. Assim, atravessamos o mar de dúvidas e incertezas que nos transforma em ilha ameaçada de mar, prestes a submergir num oceano de desconfiança. Ou, quem sabe, a resistir como ponto de fuga em mar revolto. Assim, encontramos alegria de fazer, mesmo acerca dos que só imaginam haver espaço para amargura.

Pão com manteiga, café forte e quente, verde na janela e passarinho cantando lá fora. O tempo nublado é preguiçoso por natureza. A preguiça de me mover só não alcança meus dedos no teclado do computador. O tempo nublado é preguiçoso. E eu recorro à correspondência para fugir à tragédia cotidiana.

Porque hoje é domingo. E porque a vida insiste em vir em ondas, como o mar. Desde muito antes de Vinícius se dar conta disso.


Brasília, 27 de janeiro de 2019.     

domingo, 20 de janeiro de 2019

Correspondências 2019 - Carta para Juliana Daibert

Querida Ju.



Espero que o seu braço imobilizado não lhe tenha tirado a alegria dos domingos de sol. Acidentes domésticos são ridículos. Mas eles também passam.

Acordei pensando que tinha que lhe escrever. Faz tempo que entrei em um estio de escrita. Desde que começaram as ondas de incerteza, no final do ano passado. As incertezas seguem por tempo demasiado, em meu entender. Talvez, por isso, tenha decidido voltar a escrever. Escrever, como correr, me salva sempre.

Sei que você anda evitando os jornais. É justo e são. As notícias não são boas. Aliás, manchetes alarmantes e notícias desconfortantes são o paradigma do jornalismo. A escola nos ensina isso. É papel do jornalismo tocar no desconforto e partilhá-lo conosco. Não é vício. É necessidade. Embora, para tudo haja medida. E em certa medida, o seu cansaço de notícias ruins é também o de muita gente (eu incluso). É o tempo. O que estamos vivendo agora é ridículo. Mas o tempo também passa.

Na sexta fui ao cinema. Capharnaum era o filme. Um drama árabe-libanês, filmado por uma jovem diretora libanesa, Nadine Labaki, que ganhou a Palma de ouro em Cannes 2018. Não sem razão. A história de Zain, um menino de doze anos, que sobrevive em um mundo de pobreza e guerra é um soco poético no estômago.

Se for assistir, prepare-se. A direção é boa, a história é boa e comovente. Boa parte do filme eu me peguei perguntando em silêncio: Será que eu consigo chegar ao final? E toda vez que isso acontecia, a história aplicava a dose de poesia necessária para seguir por mais um trecho. Várias, muitas vezes isso se repetiu nas duas horas e pouco do filme. Até a catarse final.

Zain é um menino que cuida de muitos irmãos mais novos. É consciência e crítica de uma família desajustada. É criança e é adulto. É poesia e tragédia. Sua história é a mesma de muitos filhos da guerra e da miséria humana. E sendo assim, ele passeia com desenvoltura num universo marcado pela dor e pela violência, pelo amor e pela separação, pela esperança e pela falta de horizonte. É um filme maiúsculo. Trate de ver.

Ontem, fiz mais um plantão na TV. Por lá também o tempo é de incerteza. Ninguém é capaz de prever com clareza o que acontecerá. Mas algo vai acontecer. A fórmula para seguir? Vou fazendo o que deve ser feito. Da melhor forma possível. Por força do trabalho, mais do que por vontade própria, leio as manchetes e mergulho nas notícias. Sou um dos que as fazem, por força do ofício.

No México, pessoas morrem vítimas de uma explosão de um duto vazado de combustível. Elas estavam roubando combustível. Muitas estavam com as roupas encharcadas de gasolina. Não se sabe ao certo o que provocou a explosão. Mas era uma tragédia anunciada.

Nos Estados Unidos, Trump faz uma proposta indecorosa. Acena com um alento provisório aos chamados “dreamers”, mas pede em troca o dinheiro para construir o famigerado muro na fronteira com o México. Os contrários a ele já disseram que a proposta é uma piada de mau gosto. E tudo indica que a queda de braço entre ele e o resto da turma vai continuar. É o que dá, colocar um menino birrento na presidência de um país. Lembro de uma canção do Chico que fala sobre mirar-se no exemplo daquelas mulheres de Atenas. Mais pela rima do que pelo sentido literal. Mas sei que é tarde, é muito tarde, para que nos miremos no exemplo daqueles senhores do Norte.

Comecei a ler o terceiro livro do Yuval Harari. “21 lições para o Século 21”. Logo nas primeiras páginas ele nos faz pensar em algo que não costumamos. O tempo das narrativas. O cálculo dele é preciso. De trinta em trinta anos, desde o Século passado, a começar por 1938, as elites do mundo nos oferecem narrativas que servem de referência para tocar a vida no mundo civilizado (ou, nem tanto assim). Lá atrás, eram três – A fascista, a comunista e a liberal. Em 68, sobraram duas, a Comunista e a Liberal. Em 98, ficamos com apenas uma – a liberal. E agora vivemos a ausência de qualquer narrativa que nos aponte um caminho. E com isso, abrimos espaço para a velha ordem mundial. É como se inaugurássemos o passado, outra vez. Com cercas, muros, nacionalismos, preconceitos e pobreza de espírito. O tempo, nestas condições, é ridículo. Mas ele também passa.

Marcelo Yuka morreu. Ele era um pouco de tudo. Poeta, letrista, músico, ativista social... Era, principalmente, um camarada em ebulição constante. Tanto que nem as balas que o atingiram 18 anos atrás, lhe tiraram o tesão por viver. Enquanto esteve por aqui, fez coisas preciosas. O álbum Rappa Mundi entre elas. Pescador de ilusões, outra.

Um sujeito que vai fazer falta. Nas imagens que os jornais mostraram do velório dele, se destaca a presença de outro visionário dessa geração de artistas, Marcelo D2.

Dias destes vi na TV alguns dos programas de entrevista que o Gil gravou para o Canal Brasil. Gil não é entrevistador. É poeta, é cantor. Não é entrevistador. Isso faz dos programas muito mais uma conversa do que uma entrevista. O que não é ruim. Há momentos em que a presença de Gil é mais forte que seus convidados. Ele sempre começa cantando e tocando uma música. É um momento de deleite e de reverência. Lázaro Ramos chora de emoção. Caetano é cumplice. Dráuzio Varela enternece. Fernanda Torres trava com Gil um diálogo utópico. É das melhores conversas que vi. Veja, quando puder.

O domingo bate à minha janela. Lá fora faz sol. É hora de tomar a dose diária de vitamina D. Recupere-se logo. Enquanto isso, sobreviva às coisas ridículas da vida.
E se aproveite delas. Um beijo. Inorbel.   


Juliana Daibert era só uma menina em 1979, quando nos conhecemos.
Na foto, ao lado da sua mãe, Marilene, na noite em que eu celebrava o fim
do ensino médio. 
A jornalista, hoje.


Brasília, 20.01.2019

terça-feira, 13 de novembro de 2018

Estrada viva

Jaguatirica morta na BR 262
Forto Edemir Rodrigues - CG News
Corria o ano de 1996. Século passado, portanto. A ACT Comunicação - uma aventura comunicativa/empresarial que eu e a jornalista Ecilda Stefanello fizemos existir por doze anos e meio - era a matriz dos nossos sonhos, das nossas ousadias. E vivia nos fazendo percorrer caminhos inéditos. Num desses encontros que a vida nos presenteia, cruzamos com o biólogo Wagner Fischer. Ele buscava alguém que encarasse o desafio de transformar em documentário a pesquisa que ele fazia, quase que como um cavaleiro solitário.

Ecilda Stefanello e Maranhão Viegas
Priscas Eras (1999 - na Lujje Filmes)
Wagner registrava o número de acidentes e de mortes por atropelamento de animais na estrada mais famosa do MS, a BR 262, que corta o pantanal sul-matogrossense, entre Campo Grande e Corumbá. Nós da ACT éramos loucos o suficiente para nos jogar de cabeça em projetos provocantes como aquele. O dinheiro, como sempre, era curto. O desafio, imenso. As dificuldades, maiores ainda. 

Wagner Fischer
A ideia evoluiu. De tanta insistência. No início de 1999 caímos na estrada para começar a fazer os registros. Em agosto daquele ano o documentário estava pronto. 

O assunto era angustiante. Nós precisamos encontrar um jeito de mostrar aquela tragédia, sem causar repulsa em quem assistisse. Mas, também, sem deixar de emocionar. Pela dramaticidade das imagens. No final, os quase nove minutos do documentário, creio, cumpriram a sua missão. 

O filme ganhou dois prêmios do 1º Festival de Vídeos do Mato Grosso do Sul (Melhor Documentário e Melhor Roteiro). E ajudou a traduzir de forma mais clara a grande batalha que o Wagner travava para reduzir o impacto de uma estrada asfaltada no coração do Pantanal.


Hoje cedo, recebi uma mensagem do Wagner Fischer, me enviando o link de uma reportagem publicada, ontem, pelo NY Times sobre o assunto. (Clic no link para ler a reportagem completa).


A reportagem foi motivada pelo documentário original e pela pesquisa, que o Wagner segue tocando. O problema - que registramos lá atrás e que comoveu tanta gente naquela época - segue cada dia mais grave. Não foi o suficiente para que as autoridades ambientais tomassem alguma providência efetiva para reduzi-lo. 

Isaac de Oliveira
O documentário que fizemos no Século passado está mais atual do que nunca. A logomarca do projeto e do documentário foi feita pelo artista plástico e grande amigo, Isaac de Oliveira. A jornalista Waléria Leite é quem apresenta. As imagens, de Jair de Almeida. A edição é de Antônio Paes. O vídeografismo, de Cido Fernandes. E a produtora foi a Lujje Filmes.

Waléria Leite e a Logomarca Estrada Viva
Um orgulho saber que aquela semente deu frutos. Uma tristeza ver que nada do que dissemos e mostramos à época serviu para evitar que o problema avançasse. Uma responsabilidade: seguir lutando.