terça-feira, 15 de novembro de 2016

Brasília Minas Brasília

Insisto em dizer, sempre que posso: Brasília não é só uma bolha política encravada no coração do Brasil. É mais. Muito mais. De vez em quando, confirmo isto com a paisagem, com os linguajares, com a geografia, com os hábitos de tantos que aqui habitam. Brasília é mais que a bolha política pela qual se tornou conhecida no Brasil e no mundo. Transcende à obra de Niemeyer e Lúcio Costa. Trafega, de passagem pelos jardins de Burle Marx e se espraia por um cenário natural que a faz, em alguma medida, ser também Minas Gerais.

Quer prova? Fácil. Aqui vai uma. Capela de São Francisco, na região da Ponte Alta, no Gama. Gama é uma das mais de trinta regiões administrativas que compõem o Distrito Federal (onde está situada a Capital Federal do Brasil, Brasília).

Dias destes, pensando em como dar mais corpo e identidade a um telejornal gerado a partir da Empresa Brasileira de Comunicação - EBC, do qual tenho a honra de compor a equipe responsável por levá-lo ao ar, imaginei um quadro fixo para as sextas-feiras. "Crônica de sexta", foi batizado. Uma das primeiras dessas crônicas foi ao ar na sexta-feira passada. Tive a honra de compor o texto.




Crônica de Sexta

Lá no alto um ponto branco.
A capela emoldurada de céu e luz faz a geografia do cerrado,
por um instante, ser também Minas Gerais.

Capricho da natureza?
Ou, sonho inconfesso de JK?
Quantos desejos viraram realidade em teu altar?
Quantos casais deram o primeiro passo da vida a dois
no compasso do verde que te cerca?
A simplicidade dos teus traços, a leveza de tuas linhas,
se encarregam de te fazer mágica.
Magia despretensiosa que não quer outra coisa
senão aliviar nossos olhos do peso dos dias.
Enquanto os devotos de Francisco admiram a tua singeleza,
tu te entregas, inteira e livre, a quem quer que te veja.
No fundo, é minha fé quem diz:
Estás mais para poesia do que para igreja.

Aí embaixo, está o link para assistir a crônica, transformada em documento audiovisual. Com a competência e a sensibilidade da equipe do RDF, da TV Brasil.




quarta-feira, 2 de novembro de 2016

In memoriam



A chama que ilumina o dia 
transforma dor em alento.

A saudade, que mora no vento 
é mais que lembrança.

Uma prece em silêncio. 
Às vezes, lágrima no rosto.
Às vezes, um olhar solto à linha do horizonte.

Não há exigências de tempo. 
Nem de raça, credo ou cor.
Mas o céu se encobre 
– involuntário – 
de nuvens cinza-chumbo.
Numa cumplicidade 
que permeia o espaço e o tempo.

Os que já se foram 
agora são memória, 
na vida dos que aqui estão.

A vida, curta, 
se estende 
pela eternidade.  

sábado, 29 de outubro de 2016

Dúvida atroz




Quem de nós ficará pra depois?
Nós três, nós quatro, nós dois?

Quando na taça o vinho estiver,
Haverá quem celebre?
Quem ainda queira beber?

E que sabor vai ter?
Taninos apurados,
frutados,
buquê!

Qual boca vai sentir
o que os meus olhos não vão ver?

Faz pouco sentido
querer agora saber.

No justo espaço
entre o gole e o cansaço
Fico com o riso ampliado
Por trás do vinho rosé.

Quem vai querer saber?
Pra quê?



terça-feira, 24 de maio de 2016

Back to Black

Porque hoje é terça.
Angelina Jordan fez renascer uma Amy Winehouse.
Escolheu uma das canções mais simbólicas da vida de Amy.
Obviamente, adaptada à pouca idade de Angelina.
Ela diz que teve só um dia, antes da gravação, para adaptar os versos originais e construir  a sua
própria versão de Back do Black. Mais compatível com a experiência de vida dela.
Menos explícita que a original. Nem por isso, menos visceral.

Go ahead!

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

A voz de um anjo, sim senhor.

Angelina Jordan
Rapaz!
O que é a voz dessa menina?

Aliás, eu sei. Ou imagino. Imagino que ela seja a materialização da voz divina. Um anjo qualquer, mandado pra preencher com delicadeza e harmonia o espaço deixado por Amy Winehouse e Billie Holiday.

Creio que seja isso.
E mesmo que não seja, vou seguir acreditando e me emocionando com Angelina Jordan, seus oito anos e o milagre de sua voz.


Até onde sei, ela venceu um programa de cantores mirins na TV Norueguesa, em 2014. Tinha oito anos na época. Deve estar às vésperas de completar dez. E tem, em uma janela imensa aberta à sua frente, o mundo por conquistar.






domingo, 24 de janeiro de 2016

A beleza, o estranho e o afeto


O que é a beleza? E o estranho?
Nossos olhos acostumaram-se a um tipo de belo. E, ao resto, tudo é feio. Ou, estranho. Ou, causa repulsa.

Sexta à tarde, eu e meu irmão, Iram, almoçávamos e falávamos da vida, de suas feiúras e belezas. Até que nos decidimos pelo "sequestro" de meu pai e minha mãe por algumas horas. Dessas decisões que surgem do nada e caem como uma luva em horas roubadas. Eles jamais esperavam uma investida dessas, sem preparação anterior, sem rito, sem combinação.

Um telefonema, um aviso... Melhor, um comunicado e em pouco tempo, lá estavam os dois angustiados pra saber onde os levaríamos.

Foi divertido vê-los "chutando" possibilidades. Meu pai, que só pensa em comida, chutava nomes de restaurantes. mas era sexta-feira e o horário estava entre o almoço e o jantar. Pouca chance, minha mãe dizia.

Entre o comunicado por telefone e a nossa chegada à casa deles, a angústia pra saber o programa falou mais alto e minha mãe ligou para a nossa irmã. pra, quem sabe, descobrir uma pista. "Tiro n'água". Isa não sabia de nada.

O mistério se desfez quando nos aproximamos do CCBB. Nosso destino era a exposição ComCiência, da australiana Patrícia Piccinini. Nela, seres imaginários tomam forma. Homem-animal-vegetal fundidos em um ser só. Em vários seres. Mutantes estranhos e afetuosos. Difícil de decifrar e traduzir, na forma. Fácil de compreender no olhar.
A grande mãe
O visitante

A esfinge

No começo, minha mãe se assustou com algumas coisas. Meu pai também. Seus olhares não estavam acostumados aquela provocação.

  • Tão difícil definir entre o belo e o assustador! 
  • Será que são meus olhos de desentender? 
  • São monstros?
  • Vão fazer algum mal?
  • Mas tem um olhar tão humano, tão doce!
E ai estava a questão. Os pelos exagerados, em locais inusuais, as garras gigantes, os corpos meio-humano, meio-animal, aos poucos se equilibravam numa sensação de que algo tranquilizador era mais forte que o medo. 

O golpe
A confortadora

Pois bem, a cada peça, uma descoberta. Até que aconteceu a melhor coisa: Sim, sem que houvesse planejamento ou combinação, nossa ida à exposição coincidiu com o momento em que a própria criadora, Patrícia Piccinini, falava sobre a sua criação a um conjunto de jovens monitores. 
Patricia Piccinini
Ao fundo, Patrícia fala sobre a sua obra a um grupo de monitores.
E nós, entre eles. 

Era um treinamento de primeiro dia de exposição. Depois disso, são esse monitores que vão traduzir parte do sentido daquelas peças aos surpreendidos visitantes. 

Que sorte a nossa. Horas roubadas com nossos pai e mãe. Horas de compartilhamento entre a nossa beleza e a beleza imaginária de um mundo que não estamos acostumados a ver. Horas de vida ganhas ao sabor do acaso. 

Ao final, depois de seguir Patrícia em várias de suas paradas e ouvir de sua própria voz a explicação de cada sentido, paramos diante de uma imagem de um menino e amigo-monstro-imaginário. E ali, ela traduziu a peça como o melhor retrato da intimidade. E em suas palavras nos disse que seu entendimento de amor é a capacidade que cada um de nós tem de se permitir ser amado, por quem quer que seja, da forma que seja, sem barreiras. 

Quando as pessoas se afastaram um pouco, cheguei perto dela. Uma artista acessível, simples, encantadora. Trocamos umas poucas palavras e eu lhe disse que tinha ficado feliz com a sua definição de amor. Que ela era perfeita. 
Sorte de principiantes, carinho da expositora.
E lhe apresentei meus pais. Ela demonstrou uma alegria verdadeira em vê-los ali e os cumprimentou, carinhosamente. Meu irmão e sua máquina registraram o nosso encontro. 
Viegão, Isabel e Iram, meu irmão. 
As fotos que ilustram essa postagem são dele, exceto essa última, que é da minha safra. A alegria de um programa inesperado, em companhia dos velhos, é nossa. Beleza casual da nossa vida. É o que vale. 

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Junto com você

Guilherme Rondon, Almir Sater e Michel Teló.
Vida, bela vida. 

Uma preciosidade.

Vida bela vida. É mais que uma frase. É mais que um desejo. É uma música, quase uma prece. Nasceu de uma parceria entre dois bons e velhos amigos dos tempos de Campo Grande, da beira do pantanal. Paulinho Simões e Guilherme Rondon.

A música é linda, desde que nasceu. Paulinho já a havia gravado. Guilherme, também. Almir e Michel, cada um a seu modo e a seu tempo, também já haviam feito suas versões.

Agora, o Guilherme publica em sua página do Facebook uma versão improvisada e valiosa. Gravada durante o encontro dos três, para a produção do programa "Bem Sertanejo", que Michel Teló conduziu no programa Fantástico, da Rede Globo.

Nem precisa dizer muito mais. Ouça. Desfrute. Deseje. Como quem faz uma prece.