sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

O tempo e a escrita

Composição de cena:  Odette de Castro
Foto: Flávio de Castro
Os dias de 2013 se avizinham do fim.
Há uma sensação comum a todos os fins, uma pontuação do tempo.
O fim, visto ao avesso, nada mais é do que um começo.

Lá onde os meus olhos não alcançam, me salva a escrita.
As letras preenchendo o vazio do branco dão sentido ao que sinto.
Passam as horas, os dias, passa o tempo sem que haja perspectiva de volta.
A única certeza é o desconhecido do que está por vir.
O incerto conjugando o verbo virá.

À minha volta, um eito de sensações.
Em meu peito, um fiozinho de melancolia.
É da natureza humana emocionar-se,
mesmo que em silêncio, com a passagem do tempo.

Deixo que as frases percorram o caminho lógico
entre a minha mente e os meus dedos.

Vejo as flores, diante da máquina de escrever de Odette.
As flores miúdas.
O chiaroscuro casual.
A luz filtrada na transparência do vaso.

Tudo ali é equilíbrio
Tudo ali é novidade nova à espera
de ser traduzida pelo barulho das teclas,
pela força das letras no papel branco.

Para que o vazio
não prevaleça sobe a pontinha de
esperança que insiste em me acompanhar.

No horizonte, vejo os primeiros sinais do
ano novo que se avizinha.
Uma passagem do tempo.
Mais uma.

E eu, viajante, me ponho cá,
emocionado e vivo.
A te esperar.  
Voilà, 2014!



terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Papai Noel existe, é um catador de latas

Por Innocêncio Viégas*


Chegou dezembro, e com ele, todas as alegrias de final de ano, quando a esperança em melhores dias se renova.

Papai Noel age no anonimato; na calada da noite. Isso tudo, no imaginário das crianças, mesmo aquelas que sabem que são os pais que lhes dão os presentes. Poucos notam que a figura do Papai Noel é apenas um mote para que o doador não se identifique como tal. Todas as vezes que você deu um presente sem se identificar, fazendo uma pessoa feliz, você foi o Papai Noel vivificado.

Zé Catador vive de catar latinhas, papelão, plástico, ferro-velho e outros inservíveis para muitos. Mora num barraco com a mulher e um guri de uns três anos. Vivem na maior pobreza mas o alimento não falta. O menino só fala em Papai Noel. Nos papéis que o Zé traz para casa, vez por outra o Papai Noel aparece estampado nos anúncios que ele e o Zé não sabem ler. O Zé fica preocupado com os desejos da criança e lamenta não ver em sua casa, pelo menos por um minuto, o Papai Noel tão falado por todos.

Certa noite o Zé fazia o seu serviço, honesto, quando deparou com um grande boneco vestido de Papai Noel, na porta de uma loja de brinquedos. Logo lhe veio à cabeça a figura do seu filhinho. Não perdeu tempo. Tirou o gorro do boneco e o colocou em sua cabeça. Olhou-se no vidro da vitrine e se achou parecido. Sacou o blusão colorido e se vestiu. Ficou um pouco grande. A calça e as botas não eram verdadeiras e sim de papel mas o grande saco, pleno de papéis lhe serviria para levar os presentes. Retirou do boneco o grande saco e o colocou no ombro. Virou Papai Noel. Lindo! Agora eu sou ele, conversou consigo mesmo. Compro os presentes para o Zezinho, uma roupinha para a Mari, um franguinho assado, batatas, refrigerantes e, para mim, uma garrafa de cidra e tá feito o Natal.

O Zé estava sendo filmado, e na outra esquina foi preso pela patrulhinha do bairro. A TV noticiou o caso com estardalhaço e mostrou para o mundo, o pobre Zé. O escrivão fez a ficha criminal do Papai Noel. O Zé contou a sua triste história. Não queria furtar nada, era a única maneira de fazer a alegria do filho e da mulher, e completou o seu depoimento: Doutor, lá no meu barraco, o Papai Noel nunca apareceu.


O Delegado recolheu pessoalmente os pertences do Papai Noel – o gorro, o blusão e o saco –  confirmou o endereço do Zé: um barraco na beira da pista, depois do posto de gasolina, no Km 25 , único barraco.
O Delegado tinha o coração sensível ao bem e mandou soltar o Zé, mandou-o voltar para o seu trabalho. Poucos dias depois, já chegando o Natal, o Zé recolheu na noite anterior, suas latinhas, vendeu o produto do seu trabalho, apurou um dinheirinho e foi comprar os presentes.

Ao chegar em casa, se assustou. O barraco todo enfeitado com balões coloridos e guirlandas. Lá dentro, o menino abraçado com vários brinquedos e a Maricota, de vestido novo e muito sorridente com os alimentos recebidos.
– O que aconteceu aqui Mari? Perguntou.
– Zé – respondeu a Maricota – o Papai Noel esteve aqui, perguntou por você. Deixou tudo isto. Mas ele não era bem um Papai Noel. Tinha o gorro, o blusão colorido e o saco, mas não tinha a calça vermelha e nem as botas. Perguntei o nome dele e ele disse:  Papai Noel, e disse mais: diga para o Zé, que Papai Noel existe, e vez por outra, é até o Delegado. Zé ele saiu rindo e cantando o seu Hô! Hô! Hô! E dizendo: Feliz Natal! Feliz Natal! Feliz Natal!

O Zé não havia contado nada para a sua Maricota. Simplesmente chorou, olhou para o céu e disse:
– É ele mesmo Mari! Papai Noel é assim.

Pode ser qualquer pessoa, até mesmo o Delegado ou um simples catador de latas, aquele que foi preso.

Hô! Hô! Hô! Feliz Natal para todo mundo.

* Innocêncio Viegas é teólogo, membro da Ass. Nac. dos Escritores, membro da Academia de Letras de Brasília, da Academia Internacional Maçônica de Letras, fundador da Confraria dos Amigos da Boa Mesa e meu pai. 
Email para contato: inocencio.viegas@gmail.com

sábado, 21 de dezembro de 2013

Andar Comigo

Porque o sábado pede novos caminhos! Julieta Venegas - Andar Conmigo.

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

A turma

*Manoel de Barros

Bernardo, de Manoel.
A gente foi criado no ermo igual ser pedra.

Nossa voz tinha nível de fonte.

A gente passeava nas origens.

Bernardo conversava pedrinhas 
com as rãs de tarde.

Sebastião fez um martelo de pregar água 
na parede.

A gente não sabia botar comportamento
 nas palavras.


Para nós obedecer a desordem das falas

Infantis gerava mais poesia do que obedecer
 as regras gramaticais.

Bernardo fez um ferro de engomar gelo.


Eu gostava das águas indormidas.

A gente queria encontrar a raiz das 
palavras.

Vimos um afeto de aves no olhar de 
Bernardo.


Logo vimos um sapo com olhar de árvore!

Ele queria mudar a Natureza?


Vimos depois um lagarto de olhos garços
beijar as pernas da Manhã!

Ele queria mudar a Natureza?


Mas o que nós queríamos

é que a nossa 
palavra poemasse.”

Manoel, de Bernardo. 

*O mais recente poema de Manoel de Barros, escrito neste ano da graça de 2013.

Como se fosse sábado


Acordei
com uma fresta de sol
se espremendo entre nuvens de chuva.

Era quinta-feira.
Mas o dia me convidava à vida
através da janela de meu quarto
com se nascesse numa manhã de sábado

Recado para Manoel

Manoel de Barros.
Foto: Alexis Prappas
Quando eu nasci, minha avó me queria Bernardo.
Meu Bernardo não vingou, a não ser no querer de minha avó.
Virei Inorbel, depois, Nuca, depois Maranhão. Por fim, transformei todos eles
eu um só, justo o que sou hoje.

Bem mais tarde, conheci Manoel de Barros e descobri que o seu alterego se chamava Bernardo. Um dia, Manoel me apresentou o seu Bernardo e eu, emocionado, enxerguei a imagem de um menino correndo solto, na beira de um rio que lambia o fim da tarde. 

Nesse dia, tive a impressão de ver minha avó sorrir, de braços dados com o acaso. 
Foi quando a inutilidade bela do mundo de Manuel invadiu minha alma.

Pra sempre. 

(Recado escrito para Manoel de Barros, a pedido de Rodrigo Teixeira e publicado no Jornal O Estado MS, edição desta quinta-feira, 19.12.2013, dia em que o poeta completa 97 anos de poesia.)

Dia de Manoel


Hoje é dia de Manoel. Dia de Bernardo, de cobra de vidro, de por-do-sol cheiroso e de todas as outras coisas que a imaginação do poeta cria. Manoel de Barros faz 97 anos. E parece pouco pra tanta delicadeza.

Desde ontem o poeta vem sendo lembrado pelos seus apreciadores. Ontem, acordei pensando nele. Acordei não, não dormi. Ontem, a insônia me invadiu a noite. E quando eu vi que não havia jeito de vencê-la, passei a pensar em coisas boas. E Manoel de Barros, e a sua poesia, estavam entre elas.

No correr do dia, liguei pro Bosco Martins, jornalista e bom amigo dos tempos de Campo Grande. Falamos sobre o poeta e sua vida. Falamos sobre a fragilidade da vida de passarinho que ele anda levando. Falamos sobre a discrição da vida dele e sobre o que ele e sua poesia fazem com a nossa.


Manoel de Barros, Bosco Martins.
No colo do Bosco, o livro que Manoel me mandou de presente. 
Bosco me mandou um bocado de arquivos de texto que vou destrinchar ao longo dos próximos dias.  Me mandou as fotos mais recentes feitas com o poeta. Uma delas, inclusive, com o livro que ele me deu de presente, depois de autografá-lo.

Mais tarde um pouco, recebo um chamado de Rodrigo Teixeira, outro jornalista, outro grande amigo, editor do jornal O Estado MS, me pedindo um recado para Manoel. Foi como se eu tivesse recebido um presente dos deuses. Mandar um recado pra Manoel, dizendo do carinho que sinto por ele, era de fato um presente.

O recado saiu num batidão só. Mandei. E está publicado na edição de hoje, do jornal. O recado é pro Manoel. O presente é pra mim. Para acessar a página do jornal, clique aqui.

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

O cinza da manhã


A manhã é cinza
como cinza são as manhãs de dezembro em Brasília.

Amanhã é aniversário do poeta. Manoel faz 97.
E eu já sinto saudades da figura de passarinho dele
enchendo de natureza poética o improvável.

Amanhã são dezenove.
Dezenove dias.
De dezembro.
E a chuva que não cessa.

Ainda assim, a gente se transfigura.
As luzes parecem mais amarelas.
E o jardim recebe penteado novo.

Sinal de Natal no ar.
A casa vai estar cheia em instantes.
É hora de recomeçar.

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Os rios começam a dormir

Manhã de segunda sob o prisma de Manoel de Barros.


Rios começam a dormir, pela orla. 
Um dom de entardecer percorre as águas.
Nas entranhas dessas lagoas
os sapos tocam violas
a quinze metros do arco-iris 
o sol é cheiroso
A ciência ainda não pode 
provar o contrário.

Manoel e Márcio
Manhã de segunda sob o prisma de Manoel de Barros e com os timbres de Márcio de Camillo, no CD Crianceiras.

domingo, 15 de dezembro de 2013

Carta de Mariana

Mariana, minha filha, me escreveu. 
Foi uma carta quente, como quente é a Mariana. 

Falando de música, de admiração, falando de amor. 
Carta quente, do jeitinho dela. 

Com todo respeito, um puta texto! 
Um baita orgulho! 




Bom dia, papai.

Acho que você não ficou sabendo, mas quando deu 00:01 de sexta-feira 13 a Beyoncé divulgou o novo álbum dela. 5º da carreira solo. 14 faixa e 17 clipes para baixar no iTunes. 

Sem fazer alarde. Sem anunciar durante um mês. Sem divulgar teaser. Nada! Simplesmente foi lá e disponibilizou o disco.


Não sou tão tecnológica. Não sei baixar música. Nem no iTunes. Só vi os comentários na internet. Também não estou desesperada pra ouvir e ter uma opinião sobre o disco antes de todo mundo. Quando as músicas começarem a rolar no rádio eu vou ouvir.


Mas eu acho a Bey sensacional! Sério! Ela é uma artista fantástica. Canta divinamente, tem uma voz incrível. Não faz playback nos shows. Dança pra caralho. As coreografias dos clipes dela são sempre as mais copiadas e trazem elementos que viram tendência no cenário da dança. Ela cuida pessoalmente de cada detalhe dos shows. Figurino, iluminação, setlist, qualidade do som... Ela é realmente uma artista completa. Ela se preocupa com o melhor que ela pode dar pro público e é extremamente profissional. 


Esse ano, em uma apresentação, o cabelo dela prendeu num ventilador que ficava no chão do palco. Ela não se desesperou. Ela não parou de cantar. Ela não desafinou. Sentou na escada, continuou cantando com a cabeça presa, enquanto a equipe técnica desprendia o cabelo dela. Depois, ela mesma postou o vídeo no instagram oficial dela e fez uma paródia da música que estava cantando, contando o que aconteceu. Fera!!!



Em setembro ela veio para o Brasil. Alugou uma casa em Trancoso e ficou lá com a família (o marido Ja.Z e a filha Blue Ivy). Ela ia para as cidades onde tinha show e voltava pra lá. Foi muito bem recebida e mereceu todos os cuidados da Ivete Sangalo


Beyoncé ficou mais encantada pelo Brasil. Se preocupou com os fãs e com a nossa cultura. Na apresentação de Fortaleza (a primeira) ela sambou, em BH ela dançou funk e no Rock In Rio ela arrasou dançando o passinho. (Aaaah, lelek lek lek!)


Aqui em Brasília o show começou com uma hora e meia de atraso, debaixo dum pé d'água. Ela seguiu o show da melhor maneira que era possível fazer nessas condições. Não ficou na parte coberta do palco e ainda disse pro público: "Se vocês estão na chuva, eu também vou ficar na chuva com vocês". 


Ela ama tanto o Brasil, que dentre os 17 clipes lançados ontem, ela lançou o da música "Blue" que ela fez pra filha, que foi todos gravado aqui. A música é linda! Puro amor. Chorei todas as 5 vezes que vi o clipe. As imagens são lindas! Mostra o Brasil de uma maneira não piegas e clichê. É tudo maravilhoso! 

Mariana, em seu momento Bey

Assiste aí!


Te amo!

Beijos!



Feliz Natal, pronto!

Ode ao domingo, à alegria

Ludwig van Beethoven

Hoje é domingo. E a primeira tela que abri em meu computador me conduziu a uma apresentação coletiva em praça pública. O vídeo não é novo, é do ano passado. E já foi visto por milhares de pessoas ao redor do mundo.

A cena aconteceu por ocasião das comemorações dos 130 anos de fundação de um banco europeu, o Sabadell, cuja sede fica em uma cidade que lhe empresta o nome, vizinha a Barcelona, na Espanha. A ação fazia parte das homenagens do banco à cidade e sua gente.

Os organizadores recorreram a uma estratégia dos tempos modernos, batizada de flashmob, quando algo detalhadamente planejado acontece em meio ao cotidiano de pessoas que nem imaginam que aquilo está acontecendo de forma premeditada. E levam algum tempo até perceber que não se trata de um simples acaso.


Normalmente, é algo que surpreende e emociona a todos. Neste caso, não foi diferente. O evento teve a participação de 150 músicos da Orquestra Sinfônica de Vallès e cantores integrantes dos corais Lieder, Amics de L'Òpera e Coral Belles Arts

O vídeo, que depois virou uma peça de divulgação do banco, mostra o momento em que eles interpretam a belíssima Ode à Alegria, poema cantado no 4º movimento da 9ª Sinfonia de Beethoven, que esse gênio da música compôs, inspirado em um texto de outro gênio, Schiller. 


O resultado é algo tão impressionante, capaz de fazer a gente chorar de emoção. Então, emocionado e feliz por esta manhã de domingo começar assim, divido com vocês a letra original, o poema traduzido à língua portuguesa e, em seguida, o vídeo. Uma verdadeira ode à alegria de viver.

An Die Freude (Ode To Joy)
Ludwig Van Beethoven
An Die Freude (Ode To Joy)
O Freunde, nicht diese Töne!
Sondern lasst uns angenehmere anstimmen
und freudenvollere!

Freude, schöner Götterfunken,
Tochter aus Elysium,
Wir betreten feuertrunken.
Himmlische, dein Heiligtum!
Deine Zauber binden wieder
Was die Mode streng geteilt;
Alle Menschen werden Brüder
Wo dein sanfter Flügel weilt.

Wem der grosse Wurf gelungen
Eines Freundes Freund zu sein,
Wer ein holdes Weib errungen,
Mische seinen Jubel ein!
Ja, wer auch nur eine Seele
Sein nennt auf dem Erdenrund!
Und wer's nie gekonnt, der stehle
Weinend sich aus diesem Bund.

Freude trinken alle Wesen
An den Brüsten der Natur;
Alle Guten, alle Bösen,
Folgen ihrer Rosenspur.
Küsse gab sie uns und Reben,
Einen Freund, geprüft im Tod;
Wollust ward dem Wurm gegeben,
Und der Cherub steht vor Gott!

Froh, wie seine Sonnen fliegen
Durch des Himmels prächt'gen Plan,
Laufet, Brüder, eure Bahn,
Freudig, wie ein Held zum Siegen.

Freude, schöner Götterfunken,
Tochter aus Elysium,
Wir betreten feuertrunken.
Himmlische, dein Heiligtum!
Seid umschlungen, Millionen.
Dieser Kuss der ganzen Welt!
Brüder! Über'm Sternenzelt
Muss ein lieber Vater wohnen.
Ihr stürzt nieder, Millionen?
Ahnest du den Schöpfer, Welt?
Such ihn über'm Sternenzelt!
Über Sternen muss er wohnen.






Ode À Alegria
Oh amigos, mudemos de tom!
Entoemos algo mais prazeroso
E mais alegre!

Alegre, formosa centelha divina,
Filha do Elíseo,
Ébrios de fogo entramos
Em teu santuário celeste!
Tua magia volta a unir |
O que o costume rigorosamente dividiu. |
Todos os homens se irmanam | 2X
Ali onde teu doce vôo se detém. |

Quem já conseguiu o maior tesouro
De ser o amigo de um amigo,
Quem já conquistou uma mulher amável
Rejubile-se conosco!
Sim, mesmo se alguém conquistar apenas uma alma,|
Uma única em todo o mundo. |
Mas aquele que falhou nisso | 2X
Que fique chorando sozinho! |

Alegria bebem todos os seres
No seio da Natureza:
Todos os bons, todos os maus,
Seguem seu rastro de rosas.
Ela nos deu beijos e vinho e |
Um amigo leal até a morte; |
Deu força para a vida aos mais humildes | 2x
E ao querubim que se ergue diante de Deus! |

Alegremente, como seus sóis corram
Através do esplêndido espaço celeste
Se expressem, irmãos, em seus caminhos,
Alegremente como o herói diante da vitória.

Alegre, formosa centelha divina,
Filha do Elíseo,
Ébrios de fogo entramos
Em teu santuário celeste!
Abracem-se milhões!
Enviem este beijo para todo o mundo!
Irmãos, além do céu estrelado
Mora um Pai Amado.
Milhões se deprimem diante Dele?
Mundo, você percebe seu Criador?
Procure-o mais acima do céu estrelado!
Sobre as estrelas onde Ele mora.