terça-feira, 10 de agosto de 2010

A primeira conquista


Gabriel e Geraldinho estudaram juntos por muito tempo, na escola Harmonia, em Campo Grande. A escola foi uma das primeiras a adotar o ensino integral. Eles tinham aulas regulares de manhã e filosofia, música, línguas e esportes à tarde.

Gabriel é nosso filho (meu e da Mara) e Geraldinho, filho de Geraldo Espíndola e Baiana, que na verdade se chama Dalila, mas que ninguém a reconhece assim. Certa vez, os dois faziam uma das suas primeiras viagens com a escola. Iam para Corumbá.

Tinham sete ou oito anos e começavam a descobrir os encantos da beleza feminina. Geraldinho enveredou pela poesia, escreveu umas linhas e transformou o resultado em música. Chamou Gabriel para a aventura - a idéia era conquistar a amiga, que eles julgavam ser a mais bonita do grupo. Stela. Em termos de conquista, foi um desastre. A música (se é que pode se chamar isso de música) dizia mais ou menos assim:

“Stela, Stela,
É uma tetéia,
Estou apaixonado,
Por essa mocréia”


Tudo o que eles conseguiram foi fazer a Stelinha ficar roxa de raiva e ignorá-los solenemente pelo resto da viagem. Na volta, já em casa, Gabriel contava essa história e rolava no chão, de tanto rir. Conquista, zero. Molecagem, 10.

Esta semana, a Baiana me mandou um link para uma reportagem publicada às vésperas do dia dos pais, em um jornal de Campo Grande. A matéria tratava da relação de filhos e pais artistas. Estavam lá, entre outros, Geraldão e Geraldinho Espíndola.

Geraldinho ficou um menino lindo. Deve estar escrevendo coisas melhores do que a primeira poesia e enchendo de orgulho nossos amigos Geraldo e Baiana. Assim como Gabriel, me surpreende com a qualidade da sua escrita, do seu raciocínio e, claro, das suas tiradas. Eles cresceram, não se vêem faz muito, mas tenho a impressão de que o espírito da molecagem vai permanecer com eles, pro resto da vida. Tomara.

4 comentários:

  1. E aí, Maranhão. Que bacana o seu blog. Parabéns. Como sempre, uma beleza de texto. Ah! Você se lembra da vez que antecipei estar escrevendo um livro? Pois é! Ficou pronto. Foi lançado no dia 24 de junho último. É um relato romanceado da vida do hoje Arcebispo Emérito de Montes Claros, Dom Geraldo Majela de Castro, que, na mesma data, completou 80 anos de vida. Aliás, o livro foi feito justamente para homenageá-lo por ocasião de seu aniversário. Abraços, Valéria Borborema.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Oi Valéria. Legal receber notícias suas e do seu trabalho. Parabéns pelo livro. Quando puder, me mande mais informações. Acho que esse livro vale um post por aqui. Beijo.

    ResponderExcluir
  4. muito legal. conheço você e mara, mas praticamente não gabriel... conheço geraldo e dalila (já fomos cunhados, chamo-a como a irmã a chama...), mas não me lembro do geraldinho... agora parece que fiquei conhecendo todo mundo!

    ResponderExcluir